segunda-feira, dezembro 04, 2006

Faz de conta

Agora eu era tu e tu eras eu
e tu, sem mãos, não podias prender-me
e o fio ficava solto
e eu partia
(e fingia que voava).

Como?
Imaginaste uns dedos?
Não, não, não!
Não está certo. Tu já sabes voar
não precisas de inventar mais nada.

Deixa que quem imagine seja eu!
O teu sonho não pode apagar o meu.



4 comentários:

Miguel Sousa disse...

simplesmente delicioso...bravo

Miguel Sousa disse...

sabes que mais, invejo (no bom sentido) essa forma como as palavras saem da tua cabeça...voando para os nossos corações

3za disse...

:)
Obrigada pelas tuas palavras!

rita disse...

Está lindo esse poema!!
Js